Browsing Tag

Bar Museu

Antena Ligada Mil Fotos Pra Você

Pequena Notável – Olhos D’Água Continuação…

dezembro 29, 2016

… Somente hoje volto aqui para dar cabo a essa história (Olhos D’ Água). Confesso que dei uma enrolada, mas dezembro  tem sido um mês difícil e depois acho que não estou fazendo jus aos lugares que estive, e acabo travando uma briga com as palavras e elas desaparecem e  não sei o que escrever…

Porém, depois de apaziguar os meus fantasmas eis aqui a continuação do texto –  Agora de uma época bem  mais distante, quando essas terras ainda não eram habitadas e onde o vazio imperava. Porque acreditem ou não nem só pela tradicional Feira Do Troca  e refúgio de hippies essa terras são conhecidas.  Por essas bandas atravessou uma linha invisível aos olhos.

De 1498 a 1750  aqui serviu de limite territorial entre domínios coloniais portugueses e espanhóis.  Isso mesmo, esse é um dos pontos onde a linha do Tratado de  Tordesilhas passou.  Essa fonte de informação consta no livro – A história da Terra e do Homem no Planalto Central de Paulo Bertran .

No entanto se vocês não quiserem ler o livro que trata desde assunto, basta entrar no Bar Museu, posicionado num canto da praça Santo Antônio de Pádua, e a Dª Cecília  estará lá pronta para esclarecer todas as suas  dúvidas, e você ainda fica sabendo de algumas” fofocas”  da cidade.

De personalidade forte e opinião formada para tudo essa senhora tem orgulho de contar para cada turista que entra em seu bar que a linha passa por dentro do seu estabelecimento comercial.

Sem mesas e nem mesmo cadeiras (por falta de espaço mesmo) com pouca iluminação, você faz o pedido ao pé do balcão de madeira apodrecida pelo tempo e coberto por uma toalha de plástico. Mas vou logo adiantando, ali não é servido comidas, doces ou quitutes. O Bar tem mais de 200 tipos de cachaças, e garrafadas medicinais que a dona afiançou com toda a certeza do mundo, que serve para todo tipo de doença e perrengue. E segundo a própria, tudo está a venda: canecas esmaltadas antigas, bules, espigas de milho secas, bonecas de mdf , bonecas de palha de milho seco. Até uma algema com bola de ferro, instrumento para castigar e impedir a fuga de escravos repousa ali no balcão como resquícios da crueldade humana.

 

Poema de Emerval  Crespi – Tio Zé

Poema de nossa Aldeia

Lugarzim besta, sô
num tem nada prá oiá
uns triêrozim istreito
cercado de mato e pé de pau
cu’as fulozinha incarnada
arrudiada de bejafrô
lugarzim das rua prifumada
das vêis chêra áio queimado
das ôtra café torrado
chêra inté dama da noite
qui o vento metido a açoite
leva consigo pra bêra da istrada
ô cantim parado
onde as moça sai suzinha
no caminho da missa, à noitinha
sem importá cum hômi marvado
arremedo da chama da vida
de muleque e bola na praça
donde a igrejinha tenta inxergá a mina
num tem ferro, num tem vidraça
só moça e véia dibruçada
na janela
oiando a vida passá
vêis em quando inda si iscuita
bem prá acolá
o rangê dum carro de boi
qui insiste num si interrá
a junta incangada puxando
os causo desse lugá
lugarzim besta, sô
das vidinha tudo piquena
qual fulozinha branquinha
miúda e prifumada
qui brota dos laranjá.

Autor-EMERVAL CRESPI-TIO ZÉ

Mesmo que imaginária tenha  sido a linha do Tratado, e hoje ela não exista mais, ao entrar neste pequeno e desajeitado bar, estava com um pé na Espanha e outro Portugal. Agora diz aí se Olhos D’ Água não é uma pequena notável?

Beijos!!!